Como está a qualidade do seu tempo nas relações com os seus filhos e a sua família?


Vivemos em uma geração onde o tempo é escasso. A sociedade nos cobra para sermos bons profissionais, ótimos alunos, bons pais, excelentes cônjuges, sinceros amigos, bem sucedidos e ainda estarmos em harmonia com a nossa saúde praticando exercícios físicos.

Diante de tantas cobranças, encontramos uma geração que faz muitas atividades, mas se envolve pouco em cada uma delas. Muitas vezes, estamos em uma sala de aula, ou no trabalho, já pensando nas próximas atividades do dia ou da semana. E se estamos em casa, a nossa mente poderá estar focada no relatório que temos que entregar , na lista do supermercado, numa reunião ou evento importante que temos.

Além disso, estamos na era digital, onde a vida acontece num click do celular. Podemos acessar as notícias do mundo, a agenda do dia, os vídeos mais interessantes, as mensagens que temos que responder prontamente. O mundo digital também consome os nosso tempo. Precisamos atualizar os nossos likes nas páginas que fazemos parte e tantas outras atividades.

Mas, hoje convido você a refletir como está a qualidade do seu tempo para os seus filhos, para os seus entes queridos e para você.

Nesta correria da vida, muitas vezes surgem os quadros ansiosos e outras doenças do mundo moderno. É um alerta do seu corpo para dizer que algo precisa ser mudado. Como diz o nosso querido pai da Psicologia Analítica C.G. Jung, a doença surge como uma tentativa de autocura da nossa psique.

No dia a dia do consultório, tenho percebido o quanto os filhos sentem a falta dos pais, que mesmo presentes, muitas vezes estão ausentes. Ausentes durante o jantar, pois ninguém desliga o celular ou a TV, ausentes no trajeto do caminho da escola, na essência da presença e nas atividades mais simples do dia.

Convido você a desligar o celular para jantar com o seu filho, com a sua esposa, com a sua namorada , com a sua mãe, com o seu pai ou com o seu amigo.

Convido você a fazer uma pausa de 3 minutos antes de entrar em casa e respirar profundamente para que ao abrir a porta você realmente esteja no ambiente de retorno ao lar. E se você está em casa recebendo o seu ente querido, dê um “tempo de retorno” para que ele descanse e entre em sintonia com o seu ambiente. Muitas vezes aquele que chega em casa é abordado pela avalanche de problemas domésticos ou financeiros.

E quanto aos nossos filhos, convido a olhá-los nos olhos, perguntar como foi o seu dia e dividir experiências mais do dia. Muitas vezes a agressividade dos filhos, as dificuldades dos relacionamentos familiares, está ligada ao nosso distanciamento dos momentos mais simples e preciosos.

Como diz Jung : O encontro de duas personalidades assemelha-se ao contato de duas substâncias químicas: se alguma reação ocorre, ambos sofrem uma transformação”.

Espero que vocês se transformem nos encontros diários da vida!

São nas pequenas atitudes diárias, que podemos melhorar a qualidade do nosso tempo, nos envolvendo verdadeiramente no momento e na essência de cada encontro.

Fiquem bem e sejam felizes!

Um abraço da psicóloga Luciana Derenze

www.lucianaderenze.com

@psicologalucianaderenze

e-mail: luderenze@yahoo.com.br