Meu filho vai mal na escola, e agora?


Meu filho vai mal na escola, e agora?

No dia a dia do consultório tenho observado a preocupação dos pais quando o assunto são as notas escolares. Com a proximidade do final do ano, aumentam as pressões e o medo do filho “perder o ano”. O discurso com as ameaças para o cancelamento de viagens, mudanças de escolas, presentes que serão cancelados ou demais punições começam permear o ambiente familiar.

Muitas vezes, o problema associado ao desempenho escolar está em casa, escondido nas pequenas atividades. Precisamos avaliar a qualidade de sono dos nossos filhos e os limites quanto ao horário para dormir, estudar, brincar, e o uso do celular, etc.

Vivemos em um mundo repleto de pressões no trabalho, trânsito carregado e muitas vezes os filhos ficam até tarde esperando os pais chegarem, para fazerem “aquela lição” mais difícil . Esse horário acaba sendo inadequado, pois a família já está cansada da rotina do dia. Não dá para estudar Matemática, Química ou Gramática com tanto sono. Mas, percebo que pela saudade ou a culpa pela ausência do dia tornam os pais mais permissivos quanto o assunto é “colocar os limites”.

No dia seguinte, essas horas de sono começam a aparecer na forma de cansaço, dispersão da atenção e irritabilidade. Uma das consequências é o baixo rendimento escolar.

Outro fator importante é a autonomia dos nossos filhos. Como está a autonomia dele para fazer pequenas tarefas diárias? Como por exemplo, escolher a sua roupa, fazer o prato, arrumar o seu quarto e estudar sozinho. A autonomia também é um grande aliado da autoestima. Ajude o seu filho a se planejar para a entrega dos trabalhos e estudo das provas. Você pode orientá-lo a usar uma agenda ou um simples painel na parede.

Essas pequenas atividades ajudarão o seu filho a se organizar para se tornar confiante e construir a sua independência.

Convido você a avaliar também o número de atividades extras do seu filho. Quantas atividades extras ele pratica? Ele dá conta de sair do colégio e fazer todas elas e ainda concluir as lições? Ele dá conta de ficar no colégio integral com todas as atividades extras. O que vocês podem fazer para melhor a rotina dele?

Converse com o seu filho e veja como ele se sente fisicamente para abarcar todas as atividades. Muitos pais, alegam que não tiveram oportunidades, mas que o filho terá. Veja se a criança está sobrecarregada de atividades, a ponto de estar muito cansada para estudar.

Outro fator importante é entender a situação escolar do seu filho. Compreender o sistema de notas, a forma de prova, tarefas e as avaliações é fundamental. Conversem com os coordenadores pedagógicos, professores e não levem a dúvida para a casa. Orientem os seus filhos quanto ao sistema de notas, pois em cada colégio, o critério é diferente, pois há diferentes propostas pedagógicas.

Veja se o seu filho se “encaixa” na proposta daquela escola. Isto é muito importante, mesmo que você tenha 3 filhos, muitas vezes, cada um se adequa melhor a uma proposta diferente. Pense nisso, embora seja muito complicado frequentar escolas diferentes para filhos da mesma família.

Se mesmo mantendo uma rotina saudável de sono, alimentação e saúde, se o seu filho continuar indo mal, peça ajuda . Procure a escola, os psicopedagogos, os psicólogos, pediatras, terapeutas ocupacionais, psiquiatras, etc. Peçam ajuda, dividam o problema para que a gama de soluções e possibilidades apareçam.

Procurem as aulas de reforço, ou a ajuda do colega que sabe explicar na mesma linguagem do seu filho, mas pergunte antes se ele quer essa ajuda.

Excluindo todas as possiblidades, se o seu filho realmente “perder “ o ano, e se você perceber que foi por falta de empenho, talvez seja um aprendizado para ele e para a família.

Muitas vezes , lidar com as nossas frustações nos torna mais fortes para enfrentarmos a vida. Se não estudarmos, não conseguiremos boas notas, e nada na vida acontece sem o esforço e empenho.

Convido vocês a refletirem sobre essas questões , pois nas principais dificuldades é que nos tornamos fortes para o enfretamento dos desafios e da arte de viver.

Diz Jung: Só em nós mesmos podemos mudar alguma coisa; nos outros é uma tarefa quase impossível”.

Que todos nós possamos mudar com as nossas dificuldades profissionais, escolares ou pessoais.

Aprender com os erros ou com as nossas dificuldades nos torna mais firmes para enfrentarmos desafios maiores que a grande vida nos trouxer.

Um abraço, sejam felizes!

Luciana Derenze

www.lucianaderenze.com


RECENT POSTS:
SEARCH BY TAGS:
Nenhum tag.

Criado por Luciana Derenze | Psicoterapia adolescente | Adulto  | Depressão | Ansiedade | Transtornos de humor e relacionamento